Header Ads

O papel de cada um no combate à meningite

Dr. Luis Alberto Verri (CRM 51162) é pediatra do Vera Cruz Hospital e especialista em vacinas.

POR AMANHECER DA NOTICIA

 A meningite meningocócica é uma doença grave que gera um processo inflamatório das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo levar a quadros que requerem hospitalização, deixar sequelas e, inclusive, causar a morte, mesmo com tratamento médico iniciado.


No Dia Mundial de Combate à Meningite, todos nós temos um importante papel na conscientização das pessoas sobre as formas de prevenção contra esta tão temida doença. No Brasil, a meningite bacteriana mais frequente é a meningocócica, com um índice de mortalidade de cerca de 20% a 30%. Dos sobreviventes, de 10% a 20% ficam com algum tipo de sequela, tais como amputação de membros, perda auditiva ou comprometimentos neurológicos. A transmissão da meningite ocorre através do contato direto com gotículas respiratórias, ou seja, tosses, espirros, beijos e, eventualmente, o compartilhamento de objetos como copos e talheres contaminados. Embora extremamente perigosa, a meningite meningocócica é imunoprevenível, ou seja, pode ser evitada por meio da vacinação. É espantoso, porém, que mesmo havendo vacina disponível, muitos pais não estejam vacinando seus filhos, deixando-os desprotegidos contra os riscos da doença.


A queda dos índices de vacinação contra meningite meningocócica é preocupante. Segundo o DATASUS, em 2012, a cobertura vacinal contra a meningite tipo C atingiu a meta de 100% e, em 2015, chegou a 98,19%. Em 2020, porém, este índice caiu para 78,19%, apresentando uma redução alarmante, visto que tal lacuna abre portas para a ocorrência de mais casos e, até mesmo, possíveis surtos.


Existem, atualmente, três vacinas disponíveis contra meningite meningocócica. Na rede pública, há a imunização contra a meningite causada pelo meningococo tipo C e contra os tipos A, C, W e Y. Na rede privada, além destas, há também a vacina contra o meningococo B, justamente o tipo de maior ocorrência entre menores de cinco anos, sendo responsável por 60% dos casos.


Um ponto que vale ser destacado é que a vacinação contra meningite meningocócica não se restringe a crianças, sendo indicada também para adolescentes e adultos jovens, pois estes grupos podem ser portadores assintomáticos da bactéria e, sem saber, podem transmiti-la. O Programa Nacional de Imunização já fez, aliás, a inclusão da faixa etária entre 11 e 12 anos para a vacinação contra a meningite causada pelos meningococos tipos A, C, W e Y.


Sabe-se que, com a pandemia, muitos pais e responsáveis têm protelado a imunização dos filhos. Ocorre que, ao não observar a atualização da carteira de vacinas, ao não completar os esquemas vacinais e ao não aplicar as doses de reforço recomendadas, os indivíduos ficam mais expostos. Com a volta às aulas, em maior ou menor grau, crianças e adolescentes voltam a interagir uns com os outros, e o risco de transmissão de meningite, assim como de outras infecções, aumenta.


E, no contexto pandêmico, com a atual sobrecarga hospitalar, temos que agir com ainda mais consciência: é por meio da vacinação que podemos evitar doenças que possam levar à hospitalização. Vacinas salvam vidas.


(*) Dr. Luis Alberto Verri (CRM 51162) é pediatra do Vera Cruz Hospital e especialista em vacinas.


Sobre o Vera Cruz Hospital

Em 77 anos de existência, o Hospital Vera Cruz é reconhecido pela qualidade de seus serviços, capacidade tecnológica, equipe de médicos renomados e por oferecer um atendimento humano que valoriza a vida em primeiro lugar. O Vera Cruz dispõe de 167 leitos distribuídos em diferentes unidades de internação, em acomodação individual (apartamento) ou coletiva (dois leitos), UTIs e maternidade. A Instituição conta também com setores de Quimioterapia, Hemodinâmica, Câmara Hiperbárica Monoplace, Radiologia (incluindo tomografia, ressonância magnética, densitometria óssea, ultrassonografia e raio-x), e laboratório com o selo de qualidade Fleury Medicina e Saúde. Em outubro de 2017, a Hospital Care tornou-se parceira do Vera Cruz. Em pouco mais de dois anos, a aliança registra importantes avanços na prestação de serviços gerados por investimentos em inovação e tecnologia. Em médio prazo, o grupo prevê expansão no atendimento com a criação de dois novos prédios erguidos na frente e ao lado do hospital principal, totalizando 17 mil m² de áreas construídas a mais. Há 30 anos, o Vera Cruz inaugurou e mantém a Fundação Roberto Rocha Brito, referência em treinamentos e cursos de saúde na Região Metropolitana de Campinas, tanto para profissionais do setor, quanto para leigos, e é uma unidade credenciada da American Heart Association.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.