Header Ads

Atividade física no inverno e os cuidados com o coração

 Especialista do Vera Cruz Hospital alerta para maior incidência de infarto neste período do ano

POR AMANHECER DA NOTICIA

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), seria possível evitar 260 mil mortes por ano causadas por câncer e doenças do coração se toda a população brasileira realizasse, ao menos, 30 minutos de exercícios físicos diariamente e mantivesse uma boa alimentação. A prática regular de atividade física proporciona muitos benefícios à saúde especialmente na prevenção e no tratamento das doenças crônicas não transmissíveis como hipertensão, diabetes, colesterol alto e obesidade, que são importantes fatores de risco para o desenvolvimento da doença arterial coronária que consome a vida de tantas pessoas. A Sociedade Brasileira de Cardiologia estima que, ao final deste ano, quase 400 mil cidadãos brasileiros morrerão por doenças do coração e da circulação.


Segundo Silvio Gioppato, coordenador médico-científico nos serviços de Cardiologia Invasiva do Vera Cruz Hospital, em Campinas, infelizmente, porém, com a chegada do inverno, as pessoas tendem a reduzir ou interromper suas atividades físicas. Tal desânimo, provocado pelo frio e pela chuva, entretanto, deve ser deixado de lado para não atrapalhar o programa de condicionamento pessoal que, durante o inverno, merece uma atenção especial. "É muito importante ficar atento ao coração durante o inverno, pois o frio produz um fenômeno de vasoconstrição no sistema circulatório e isso expõe o coração a uma sobrecarga de trabalho que pode desencadear eventos cardíacos. No inverno, a ocorrência de infarto aumenta na taxa de 30%", alerta o especialista.


O que é vasoconstrição e porque ela ocorre?

De acordo com o médico, a vasoconstrição é a diminuição do calibre (diâmetro) dos vasos sanguíneos. Ela se dá ao longo de todo o sistema circulatório, mas é mais intensa nas extremidades (face, mãos e pés). "Por isso, nos dias frios as mãos e os pés ficam mais gelados. Esse fenômeno é um mecanismo de defesa do corpo para manter a temperatura corporal estável", explica Gioppato. As extremidades, devido à grande rede de vasos, funcionam, segundo ele, como o radiador dos carros por onde se perde muito calor. Então, para diminuir a superfície de perda térmica, o sistema nervoso central, de acordo com a temperatura interna, envia mensagens aos vasos periféricos para dilatar ou contrair conforme a necessidade de perda ou conservação de calor.


Quais cuidados tomar para proteger o coração durante atividades físicas no inverno?

• Nas atividades ao ar livre, é importante estar agasalhado e proteger as extremidades com luvas, meias e calçados fechados. Se for nadar, leve um bom agasalho (saída de banho) para se proteger e aquecer ao sair da água. Prolongue o período de aquecimento para dar tempo ao seu organismo de se preparar para a atividade. Lembre-se, o coração já está sob uma carga maior de trabalho, portanto, se aumentar subitamente e em muitas vezes essa sobrecarga, talvez ele não suporte;


• Na medida que o corpo for aquecendo, diminua gradativamente a quantidade de agasalhos, mas evitar ficar muito exposto ao frio e mantendo sempre as mãos protegidas;


• Do mesmo modo que no aquecimento, prolongue o tempo de recuperação reduzindo gradativamente a intensidade do exercício, informando ao sistema cardiovascular que a atividade está chegando ao fim. Finalize com um bom alongamento;


• Essa é para não engordar e vai especialmente para os praticantes de atividades aquáticas. No frio, o cérebro nos induz a comer mais, principalmente alimentos ricos em energia como os carboidratos e gorduras (pães, bolos, chocolate, etc.). Por que isso? A resposta é simples: para "manter calor". Portanto, se a pessoa não se cuidar, irá comer mais do que o necessário, colocando em risco a manutenção do peso.


O Vera Cruz possui serviços avançados para o cuidado com o coração

Ainda segundo o especialista, o serviço de angiografia e hemodinâmica do Vera Cruz Hospital está entre os mais avançados do Brasil. "Contamos com equipes altamente especializadas, com projeção nos cenários nacional e internacional, e, dispondo de equipamentos de última geração, somos capazes de realizar procedimentos de alta complexidade em todos os territórios do sistema cardiovascular", explica. A unidade é a única na região de Campinas a contar, in loco, com a mais avançada tecnologia em imagem intravascular (Ultrassom Intravascular e Tomografia de Coerência Óptica) e de avaliação fisiológica das estenoses coronárias (redução das artérias carótidas). "Isto confere uma agilidade e segurança aos procedimentos que nenhum outro serviço da região pode oferecer, já que não precisamos acionar nenhum serviço externo para disponibilizar tais recursos", explica.


Sobre o Vera Cruz Hospital

Em 77 anos de existência, o Hospital Vera Cruz é reconhecido pela qualidade de seus serviços, capacidade tecnológica, equipe de médicos renomados e por oferecer um atendimento humano que valoriza a vida em primeiro lugar. O Vera Cruz dispõe de 167 leitos distribuídos em diferentes unidades de internação, em acomodação individual (apartamento) ou coletiva (dois leitos), UTIs e maternidade. A Instituição conta também com setores de Quimioterapia, Hemodinâmica, Câmara Hiperbárica Monoplace, Radiologia (incluindo tomografia, ressonância magnética, densitometria óssea, ultrassonografia e raio-x), e laboratório com o selo de qualidade Fleury Medicina e Saúde. Em outubro de 2017, a Hospital Care tornou-se parceira do Vera Cruz. Em pouco mais de dois anos, a aliança registra importantes avanços na prestação de serviços gerados por investimentos em inovação e tecnologia. Em médio prazo, o grupo prevê expansão no atendimento com a criação de dois novos prédios erguidos na frente e ao lado do hospital principal, totalizando 17 mil m² de áreas construídas a mais. Há 30 anos, o Vera Cruz inaugurou e mantém a Fundação Roberto Rocha Brito, referência em treinamentos e cursos de saúde na Região Metropolitana de Campinas, tanto para profissionais do setor, quanto para leigos, e é uma unidade credenciada da American Heart Association.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.