Header Ads

A dor de quem convive com Cefaleia em Salvas

 Próximo dia 21 marca a conscientização sobre a Cefaleia em Salvas. Falta de informação e diagnóstico tardio prejudicam tratamento da doença

POR AMANHECER DA NOTICIA

Dor aguda em volta dos olhos que pode durar entre 15 a 180 minutos e ocorrer até oito vezes ao dia. As crises atingem o paciente de forma unilateral, o olho do lado afetado pela dor pode ficar vermelho e lacrimejar, pode haver obstrução nasal e coriza, sendo que esses são alguns dos efeitos da Cefaleia em Salvas, o tipo mais agressivo de cefaleia e pouco conhecida da população.


O próximo 21 de março é marcado pelo dia Nacional da Cefaleia em Salvas, e visa alertar a população para esta doença que atinge 100 mil pessoas no país, segundo estudo realizado pela Associação Brasileira de Cefaleia em Salvas.


Cerca de 80% dos casos de cefaleia em salvas acontecem em homens, e os sintomas podem se manifestar a partir dos 28 anos de idade.


Segundo o médico especialista e membro da Associação Brasileira de Cefaleia em Salvas, Dr. Mario Peres, o grau de dor é tão intenso que é considerada uma das piores dores que o ser humano pode sentir o deixando inapto de realizar tarefas diárias.


A cefaleia em salvas não têm cura, o tratamento é indicado pelo neurologista e visa aliviar os sintomas e diminuir a frequência das crises. "Administrar oxigênio no paciente durante uma crise se mostra eficaz e reduz as dores, mas também há o tratamento medicamentoso, que é prescrito pelo neurologista", disse Dr. Peres.


Diário da Cefaleia


O acompanhamento médico é essencial e deve ser feito assim que o paciente comece a sentir os sintomas. Como forma de auxiliar o paciente no monitoramento de crises de dor de cabeça, a Libbs disponibiliza gratuitamente o aplicativo "Diário da Cefaleia". Disponível na Play Store e Apple Store, o aplicativo permite ao usuário registrar as ocorrências das crises, citando o dia, hora, intensidade da dor, região que a cabeça dói, entre outros.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.