Header Ads

Ano de 2021 dá início à década da restauração ecológica

 Por Renata Franco, especialista em Direito Ambiental e Regulatório


POR AMANHECER DA NOTICIAS

A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidades (ONU), declarou 2021-2030 a década da restauração ecológica.


A restauração ecológica é o processo de restabelecimento de ecossistemas degradados, contribuindo com diversos objetivos globais da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, com o objetivo de intensificar a restauração de ecossistemas degradados, combater a crise climática, melhorar a segurança alimentar e fortalecer a biodiversidade e da vida terrestre.


O texto da resolução aprovado pela Assembleia Geral da ONU deixa claro que a declaração da Década sobre Restauração de Ecossistemas é um reforço a outras metas existentes.


Ao reconhecer a importância da atividade para combater a crise climática global e melhorar a segurança alimentar, bem como o fornecimento de água e a biodiversidade, a ONU estimula lideranças políticas - do setor privado e da sociedade civil - a reforçarem suas atenções aos dois bilhões de hectares de áreas degradadas com potencial de restauração no mundo.


De acordo com a ONU, 57 países, governos subnacionais e organizações privadas já se comprometeram a executar 170 milhões de hectares de restauração. A meta global pode gerar US$ 9 trilhões em serviços ambientais e retirar de 13 a 26 bilhões de toneladas de gases do efeito estufa da atmosfera.


Nesta década, a restauração contará com recursos da iniciativa privada e também de fundos globais provenientes de acordos internacionais, dos quais, inclusive, o Brasil é signatário, como por exemplo, do Acordo de Paris. Importante ressaltar que na ocasião da COP de Paris, em 2015, e mesmo em Kyoto, em 1998, o Governo Brasileiro foi reconhecido pelo protagonismo ambiental, pela sua capacidade de diálogo e pelas metas ousadas apresentadas, dentre elas restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares no País até 2030.


O Brasil tem como meta recompor e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas e restaurar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas com ampliação de cinco milhões de hectares de sistemas de integração de lavoura, pecuária e floresta.


Certamente, nosso País tem o potencial de ser um líder global da iniciativa, diante de tantas áreas verdes e de suas inúmeras florestas.


Sobre o escritório Renata Franco


Renata Franco - Direito Ambiental e Regulatório é um escritório boutique especializado que atende pessoas físicas e jurídicas. Atua em Direito Ambiental, Direito Regulatório, Direito Administrativo Urbanístico e Compliance. Está localizado na Avenida Norte-Sul, no Cambuí, em Campinas-SP, e é formado por advogados especialistas em Direito Ambiental, Regulatório, em Medicina e Saúde do Trabalho, Direito Urbanístico e Compliance.


Entre as demandas que gerencia, as mais frequentes são constituição, manutenção e/ou supressão de áreas verdes, áreas contaminadas, tombamento, produtos químicos, agrotóxicos, dentre outros casos.


A advogada Renata Franco de Paula Gonçalves Moreno, altamente qualificada, com mestrado na França e doutorado na área ambiental pela Unicamp, adquiriu suas experiências a partir do trabalho que desenvolveu em grandes escritórios de advocacia pelos quais passou em mais de 20 anos de prática jurídica.

Lavagem de dinheiro em escritórios de advocacia

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.