Header Ads

Projeto Pantanal garante alimentação adequada a idosos da zona leste de São Paulo durante a pandemia

 Ações sociais, iniciadas pela CDHU com a implantação do Viveiro-Escola, buscaram contribuir não só para o fortalecimento do tecido social, mas também para a própria sustentabilidade socioeconômica e ambiental do projeto de urbanização

AMANHECER DA NOTICIAS

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), braço operacional da Secretaria de Estado da Habitação, desenvolve na zona leste de São Paulo o Projeto Pantanal. Uma iniciativa que promoveu a recuperação ambiental, urbana e habitacional da área, possibilitando a inclusão social e a qualidade de vida dos moradores da região.


Uma preocupação da ação social, durante a pandemia do Covid-19, era exatamente garantir que os idosos em alta vulnerabilidade de União de Vila Nova, Zona Leste de São Paulo, pudessem ter uma alimentação adequada durante a pandemia. Foi pensando nisso que a Cozinha da Resistência e Excelência, foi organizada pelo coletivo Mulheres do Gau, Instituto Nua e CDHU.


Entre julho e setembro de 2020, cerca de 4.700 marmitas foram preparadas pelo Mulheres do Gau e entregues, de bicicleta pela equipe de voluntários da Jornada Solidária, aos idosos mapeados pela Unidade Básica de Saúde - UBS do bairro


O Viveiro-Escola um importante instrumento social, implantado pelo CDHU, sedia a atuação do Grupo de Agricultura Urbana (GAU) e das Mulheres do GAU: ambos os grupos trabalham como agricultores(as), desenvolvendo a permacultura, através do plantio, cultivo, colheita e manejo agroflorestal.


Este trabalho social permanente, iniciado pela CDHU, forma agentes comunitários e promove cursos de capacitação profissional e oficinas educativas para a sustentabilidade da comunidade e desenvolvimento do potencial crítico dos moradores. Também foram implementadas ações focadas na promoção da cidadania, na valorização da autoestima local, na ressignificação das relações de pertencimento com os bairros urbanizados e na criação de oportunidades de complementação de renda, com iniciativas de economia solidária.


O Coletivo Mulheres do GAU - Nove mulheres imigrantes nordestinas trabalhando como agricultoras Urbanas, seguem o conceito de permacultura, através de plantio, cultivo, colheita e manejo agroflorestal, produzindo produtos alimentícios com base na culinária orgânica, levando as periferias uma alimentação saudável e natural (abrangendo, também, a culinária vegana), servindo cafés e almoços em diversos eventos e atividades comunitárias.


O Viveiro-Escola - Um espaço de formação em educação ambiental. Além de seu caráter educativo, promove a sensibilização ambiental e das condições urbano-ambientais do bairro, tendo como principais referências a recuperação de áreas degradadas, o paisagismo e a jardinagem comunitários, produção de mudas, aplicação de técnicas em compostagem e a permacultura e sistemas agroflorestais.


Antes da urbanização, as condições de habitabilidade do núcleo União de Vila Nova, bem como Vila Jacuí e Vila Nair, distritos da zona leste, eram precárias, sem infraestrutura ou saneamento básico. Com a atuação da Companhia nas áreas, além da viabilização de empreendimentos para as famílias moradoras em condições precárias, foram realizadas obras de urbanização com recuperação urbanística completa: alteamento das áreas inundáveis, canalização de córregos, recuperação e preservação de áreas verdes, pavimentação das ruas, iluminação pública, transposição da linha de trem, entre outras. Também foi promovida a instalação de equipamentos sociais e a criação de espaços públicos, onde hoje funcionam projetos sociais desenvolvidos em parceria com os moradores.


Foram investidos R﹩ 446,8 milhões no Projeto Pantanal, que abrange uma área de 980 mil m². Considerando os três bairros envolvidos, foram atendidas mais de 8 mil famílias. Destas famílias, 3 mil foram reassentadas em novos empreendimentos e 5,3 mil tiveram seus lotes urbanizados, ou seja, suas casas foram ligadas às redes de água e esgoto. As fachadas destas casas foram recuperadas com a participação artística do escritório Ruy Ohtake de Arquitetura e Urbanismo, que elaborou o projeto cromático de pinturas, revitalização de espaços públicos e de convivência comunitária, como praças e áreas de lazer no entorno dos conjuntos habitacionais.

Governo Federal decide pela inclusão do People Mover em Guarulhos alinhado à manifestação do Instituto de Engenharia

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.