Header Ads

Brasileira larga tudo para dar a volta ao mundo em busca da sobrevivência.

 Vítima de relacionamento abusivo relata como” viajar fugindo” salvou sua vida.

AMANHECER DA NOTICIAS

O que fazer para se livrar de diversas ameaças de morte? Por medo, muitas pessoas deixam de denunciar e simplesmente fogem para preservar suas vidas. Esse foi o caminho trilhado por Silvia Mantovani, advogada brasileira que morava na Espanha e, cansada de ser perseguida e sofrer ameaças por parte de seu ex-companheiro, decide mudar de trabalho, de cidade e de país. Essa mudança completa de vida, hoje, tornou-se inspiração para Silvinha – como gosta de ser chamada – escrever o livro 40 antes dos 40 – Um passaporte salvou minha vida (Editora Feliz) e contribuir com sua história a mostrar que sempre é tempo de reconstrução e recomeço em nossas vidas.

A história dessa mulher, nascida em uma família pobre do interior do Paraná, realmente impressiona. Viveu toda sua infância e adolescência sob a violência doméstica do pai que era alcoólatra e ludopada.

“Meu pai chegava bêbado em casa praticamente todos os dias e nos espancava. Muitas vezes ao chegar na escola eu não conseguia sentar na carteira tamanha era a dor que se espalhava pelo corpo. Naquela época não existiam as leis que protegessem as crianças como hoje”.

Lutou muito. Começou a trabalhar com 10 anos de idade. Cresceu sonhando em estudar e ser independe. Com muito esforço e dedicação conseguiu graduar-se em Direito, em seguida mudou-se para a Espanha com o intuito de fazer um Master e aprender outro idioma. Foi lá onde conheceu, em teoria, quem seria seu príncipe encantado. O que era para ser uma linda história de amor quase foi parar nas páginas policiais europeias. Depois de muitas ameaças de morte, contra ela e sua família, Silvinha decidiu fugir. Era a única forma de se proteger e proteger a sua família.

“Cheguei no fundo do poço mesmo, mas graças a Deus no fundo do meu poço tinha um passaporte e esse passaporte salvou minha vida”.


Toda essa história, desde a infância difícil, passando por um relacionamento abusivo e traumático na vida adulta se transformou em um livro que mostra um término de relacionamento até então amigável, mas que logo ganha ares de perseguição e chantagem. Além das ameaças, Silvinha acaba por ficar sem teto e sem seus pertences, confiscados por seu antigo parceiro e que só aceita devolve-las sobre ordem judicial. Alojada de favor na casa de amigos, com pouco dinheiro e movida por um impulso, ela então decide viajar para Roma e nesta viagem entende que precisa voltar ao ponto de partida e buscar a felicidade interior já perdida há muito tempo.

“Saí da relação com a roupa do corpo e mais nada! Recomecei minha vida do zero. Foi aí que surgiu a ideia do meu projeto de vida” – Silvinha Mantovani


Inicia-se então a trajetória que nomeia o livro: Perto de completar 40 anos, Silvinha decide que irá conhecer 40 países antes de atingir a idade “limite” dos 40. Ela então consegue atingir a marca e coleciona ricas histórias de reflexão e encorajamento descritas nos oito capítulos deste livro (nomeados por cidades e histórias que marcaram sua trajetória).


40 antes dos 40 é uma amostra de que nuca é tarde demais para sonhar em uma história que mostra se superação e inspiração para quem teme por recomeços e para romper um relacionamento falido e abusivo. Para aquelas que pensam estar no fundo do poço sem direito a uma nova chance de ser feliz, Silvinha mostra como um passaporte foi seu salva-vidas e que cada um pode encontrar abrigo em algo que ama. “O objetivo maior é ajudar outras mulheres a sair dessas relações venenosas; seja através do ato de viajar, de estudar, mudar de emprego ou o que mover seu coração”, conclui Silvinha.


 


 Imagen en el mensaje


Silvinha Mantovani hoje tem 41 anos, é formada em Direito e já viajou para mais de 60 países e realizou mais de 350 viagens. A menina que começou a trabalhar aos 10 anos para ajudar a família e manter-se longe do clima hostil que era morar com um pai alcoólatra e violento deixou o Brasil em 2006 para cursar MBA fora do país e nunca mais voltou a morar no Brasil. Hoje trabalha como conferencista e faz da sua bagagem seu lar. Coleciona mais de 200k em seguidores mundo afora em suas redes sociais onde compartilha suas viagens e aventuras. 

 Pesquisa do Datafolha analisa os hábitos de solidariedade dos brasileiros antes e durante a pandemia

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.