Header Ads

Número de óbitos por causas naturais cresce 11% no Brasil durante a pandemia

Crescimento total de óbitos chega a quase 9% em todo o território nacional, enquanto mortes por causas violentas caem 26% no mesmo período. Amazonas registra aumento vertiginoso de 84,6% entre março e maio deste ano


AMANHECER DA NOTICIAS

O Brasil viu crescer em 11,3% o número de óbitos por causas naturais entre os meses de março e maio deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados correspondem ao total de registros deste tipo de morte lançados pelos Cartórios de Registro Civil no Portal da Transparência, plataforma online administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

As mortes por causas naturais são aquelas resultantes de uma doença ou de um mau funcionamento interno do corpo, assim listadas pelos médicos que preenchem as Declarações de Óbitos (DOs), documento que atesta o falecimento e dá origem à certidão de óbito feita em Cartório para o sepultamento. Nesta classificação estão incluídas as mortes por COVID-19 e demais doenças respiratórias.

Em números absolutos o País viu crescer 32.249 óbitos entre os meses de março e maio, passando de 284.928 mortes por causas naturais em 2019, para 317.177 falecimentos em 2020. Por ainda estar dentro do prazo legal para o lançamento dos dados no Portal, o mês de junho não foi contabilizado no levantamento feito no Portal da Transparência nesta segunda-feira (15.06). O maior crescimento se deu entre os meses de abril e maio, 17,8%, enquanto que no mesmo período de 2019 este aumento havia sido de 8,8%.

Já o total de óbitos no País durante este mesmo período registrou aumento de 8,8%, passando de 304.676 em 2019, para 331.775 em 2020. Os dados também mostram crescimento entre os meses deste ano, aumentando 7,2% em abril em comparação ao mês de março, e 12,5% em maio na comparação com o mês anterior. Em 2019, o aumento entre estes mesmos meses havia sido de 8,3% e 7,2% respectivamente.

Dentre os estados brasileiros, o Amazonas foi, disparado, aquele que verificou maior crescimento de mortes no período: um aumento de 84,6%, seguido pelos estados do Ceará (34,1%), Pará (28,8%), Pernambuco (28,7%) e Rio de Janeiro (22,9%). São Paulo registrou aumento de 9,5%, passando de 76.821 em 2019, para 84.172 em 2020. Minas Gerais, Paraná, Distrito Federal e Rio Grande do Sul viram o número de óbitos por causas naturais diminuir na comparação com o ano de 2019.

Mortes violentas caem

A quarentena adotada em vários estados contribuiu, de maneira significativa, para que o número de mortes no País não fosse ainda maior e não sobrecarregasse, ainda mais, o sistema de saúde das diferentes unidades da Federação durante a pandemia. O fechamento de bares, casas noturnas e mesmo a significativa redução de automóveis em circulação nas ruas, avenidas e estradas fez com que o número de mortes violentas no País tivesse uma redução de 26% neste ano, em comparação a 2019.

Mortes violentas são aquelas que correspondem às causas externas, entres elas os acidentes de trânsito, homicídios, suicídios, afogamento, envenenamento, queimaduras, entre outros. Estas causas, que em 2019 representaram 19.748 óbitos nestes três meses, caíram para 14.598 em 2020. Considerando-se os cinco primeiros meses do ano, a redução é de 20,3%, passando de 40.593 no ano passado para 32.347 neste ano.


Sobre a Arpen-Brasil

Fundada em setembro de 1993, a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) representa a classe dos Oficiais de Registro Civil de todo o país, que atendem a população em todos os estados brasileiros, realizando os principais atos da vida civil de uma pessoa: o registro de nascimento, o casamento e o óbito.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.