Header Ads

Epicentro da Covid-19, São Paulo também sofre com a falta de transparência

Segundo pior Estado em ranking de prestação de contas contra a pandemia, mais de 500 municípios buscam flexibilização para contratações emergenciais


AMANHECER DA NOTICIAS

Em fevereiro, foi aprovada uma Lei federal que permite aos gestores públicos atender as demandas da área da Saúde sem a necessidade de licitação ou com processos licitatórios com prazos reduzidos. A norma facilita as compras públicas e reduz a burocracia da chamada "Lei das Licitações". Só em São Paulo, nas últimas semanas, de acordo com o presidente da Comissão de Assuntos Metropolitanos e Municipais da Assembleia Legislativa do Estado, o deputado estadual Rafa Zimbaldi, cerca de 500 municípios encaminharam a ALESP decretos de calamidade pública visando seu reconhecimento.

Entretanto, se sobra aos municípios intenção de tirar proveito da flexibilização da lei agilizando investimentos em áreas prioritárias como a saúde, falta transparência na prestação de contas do Estado.

Epicentro da Covid-19 no Brasil, a situação do estado paulista também é uma das piores no quesito transparência, especificamente em relação aos gastos para o enfrentamento da pandemia provocada pelo novo coronavírus. De acordo com um ranking divulgado no final de maio pela ONG Transparência Brasil, São Paulo aparece em penúltimo lugar com 27,8 pontos, a frente apenas de Roraima, que tem 22,1 pontos. Espírito Santo, o mais bem avaliado, tem 97,5 pontos.

"É importante que a flexibilização das regras de contratação emergencial para esse momento tenha como contrapartida maior clareza sobre os gastos. Que os estados e municípios facilitem a fiscalização dos contratos tanto pelos órgãos de controle e auditoria, quanto pelo TCU (Tribunal de Contas da União) e pela própria sociedade civil", pondera o professor e economista Walter Penninck Caetano, diretor da Conam - Consultoria em Administração Municipal.

Para facilitar o acesso às informações, Caetano reforça que elas sejam publicadas em formatos de dados abertos, como também com garantia de acessibilidade para diferentes tipos de público. "A prestação de contas é uma obrigação do gestor público e o monitoramento dos gastos é um direito de todo e qualquer cidadão", alerta o diretor da Conam.

Apoio jurídico e administrativo - Elaborado por um time de especialistas em direito público da Conam, um manual para auxiliar as prefeituras em relação às ações administrativas para o enfrentamento da Covid-19 pode ser acessado gratuitamente por qualquer prefeitura no site da consultoria (http://www.loja.conam.com.br). Disponibilizado desde o final de março, o material é atualizado semanalmente.

Sobre a Conam - No mercado há 40 anos, a Conam - Consultoria em Administração Municipal conta com uma equipe de mais de 200 colaboradores e profissionais altamente qualificados. A empresa atende atualmente a mais de 120 entidades governamentais entre Prefeituras, Autarquias, Fundações e Câmaras Municipais nos Estados de São Paulo e Minas Gerais.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.