Header Ads

Novo relatório de Monitoramento do Abastecimento em SP mostra mercado de proteína animal retomando atividades moderadamente

O Grupo Técnico de Monitoramento do Abastecimento de Alimentos e produtos agropecuários no Estado de São Paulo lança oitavo diagnóstico atualizando os principais impactos da pandemia do Novo Coronavírus ao setor. 


POR AMANHECER DA NOTICIAS

Os dados englobam toda a cadeia, nos 645 municípios, e são de 11 a 15/05/2020.
Segundo o secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira, alimentar a população, garantir a produção no campo, apoiar a ampliação de canais de escoamento de produtos agrícolas por meio da pesquisa, inovação, empreendedorismo e gestão de risco é um dever. "Para isso, a Secretaria promove um monitoramento contínuo de toda a cadeia do agronegócio, contando com a colaboração dos principais representantes do setor privado e orientando todos os elos envolvidos na produção, processamento, comercialização e distribuição de alimentos e produtos agropecuários", afirmou.

O relatório, segundo informações da CNA, registra que o mercado de bovinos segue estável, com as exportações sendo as principais responsáveis pela manutenção dos preços no mercado nacional, chegando a responder por mais de 30% do que é abatido no Brasil. Os valores de exportação em 2020, por tonelada de carne, estão, em média, 17,8% superiores ao mesmo período de 2019.

No que tange ao mercado de frango, a produção na indústria e os estoques estão mais enxutos, reforçando levemente o avanço dos preços da proteína. Os valores do suíno vivo também estão em alta há três semanas, devido às vendas aquecidas tanto no mercado doméstico quanto no externo. Mas, quanto aos insumos, vendedores de milho estão preocupados com a segunda safra, porque a irregularidade das chuvas pode limitar o potencial produtivo das lavouras, diminuindo assim a oferta no mercado doméstico e sustentando os preços.

O monitoramento aponta que a estimativa da Conab para a safra de grãos é da ordem de 250,9 milhões de toneladas, 3,7% superior à safra 2018/2019. A safra de soja, na temporada 2019/2020, foi estimada em 120,3 milhões de toneladas, recorde histórico, com acréscimo de 4,6% em relação ao ciclo passado. Para o milho, a estimativa da produção é de 102,3 milhões de toneladas. Entretanto, mesmo com perspectiva de aumento de oferta, a demanda, impulsionada pelas exportações, tem sustentado os preços dos grãos internamente.

De acordo com o Instituto de Economia Agriculta (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, o mercado de leite registra uma recente recuperação decorrente dos seguintes fatores: a região Sul, que normalmente utiliza no inverno um tipo de capim de pastagem com maior potencial proteico para aumentar a produção, não obteve resultados devido à seca antecipada; a entressafra nas regiões Sudeste e Centro-Oeste adiantou um pouco e fez com que o capim amadurecesse mais cedo, afetando a qualidade das pastagens; o auxílio de R$600,00 do governo federal foi utilizado basicamente para alimentação e isto manteve o mercado de leite UHT e do leite em pó forte e gerou um aumento no consumo de manteiga, queijo mussarela e leite condensado.

Em relação ao setor de flores e plantas ornamentais, segundo o relatório de monitoramento, a reabertura das floriculturas e Garden Centers para o feriado do dia das mães garantiu novo fôlego ao setor, permitindo vendas superiores às primeiras semanas de isolamento.

Os supermercados e hipermercados registraram aumento médio de faturamento da ordem de 8,6%, na semana de 10 a 16/05/2020, marca superior aos 5,6% registrados na semana anterior. O aumento médio anual, em comparação ao mesmo período no ano de 2019, foi de 16,6%, muito próximo à marca de 17% registrada na primeira semana de maio, indicando uma aparente tendência de recuperação.

Já o setor de prestação de serviço de transporte de carga e o setor de bares e restaurantes continuam sendo muito afetados pela epidemia, com altas quedas de faturamento anual acumulada.

O relatório visa dar continuidade ao monitoramento dos diversos setores de alimentos e produtos agropecuários através dos indicadores que foram previamente estabelecidos pelo Grupo Técnico de Monitoramento do Abastecimento de Alimentos e produtos agropecuários no Estado de São Paulo, que é composto pelo secretário de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Diniz Junqueira, Presidente da InvestSP (Agência de Promoção de Investimentos e Competitividade), Wilson Mello, representantes da Prefeitura, da Associação Brasileira da Industria de Alimentos (ABIA), Associação Paulista de Supermercados (APAS), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo (FETCESP), Instituto de Food Service Brasil e outros importantes representantes do setor privado.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.