Header Ads

Cuidado com a saúde ocular em tempos de pandemia

O isolamento social fez com que grande parte da população no mundo passasse um tempo ainda maior na frente das telas, seja trabalhando, ou com algum tipo de entretenimento.


POR AMANHECER DA NOTICIAS

Essa superexposição aos dispositivos digitais já resulta em diversos malefícios para a saúde e, entre eles, a fadiga ocular.

Apesar de se intensificar nesse momento, os problemas causados pelo tempo em frente às telas digitais já têm sido notados há anos. Os especialistas denominaram como a Síndrome da Visão Computacional (SVC), caracterizada pela fadiga ocular, tensão e secura e afeta, aproximadamente, 90% dos indivíduos que passam pelo menos três horas na frente de um dispositivo emissor de luz azul.

A síndrome não atinge somente os adultos. As crianças também podem ser afetadas pelo tempo ainda maior que vêm passando em frente às telas. Fatores como aulas à distância e entretenimento online aumentam a possibilidade de terem, desde cedo, alguns desses sintomas. Os olhos são particularmente vulneráveis, pois a lente e a retina não têm a mesma renovação biológica que acontece em outros órgãos, como na pele e no coração. Os danos acumulados com o tempo de exposição às telas e, até mesmo pela idade, precisam ser compensados com o consumo de nutrientes que ajudam a aumentar a proteção contra esses malefícios.

Estudos já mostraram que a luteína é um dos principais aliados na proteção contra os danos causados pela luz UV ao globo ocular, comenta Joana Yamazaki, diretora do negócio de Nutrição Humana da BASF América do Sul. "A luteína se acumula para proteger os fotorreceptores no centro da retina onde essa proteção é necessária", diz.

Esse tipo de carotenoide pode ser encontrado em vegetais verdes e folhosos, como couve, espinafre, chicória, aipo e alface. Outras importantes fontes na dieta de luteína são legumes verdes, tubérculos vermelho-alaranjado, ervas frescas e gema de ovo.

Para a prevenção de doenças crônicas e envelhecimento prematuro relacionados ao estresse oxidativo e à luz UV, a recomendação é de consumir a partir de 3 mg de luteína, quantidade que não é ingerida na maioria das dietas habituais. O consumo de suplementos que contém o carotenoide é uma solução para ter todos os benefícios que ele provém. Além dos olhos, ainda fornece proteção do DNA, saúde da pele, imunidade, antienvelhecimento, antiestresse e bem-estar.

Em muitos países, a luteína é incluída em forma de aditivo, ingrediente funcional e suplemento dietético. No Brasil pode ser aplicada como corante e suplemento, encontrados em iogurtes, leites aromatizados, condimentos preparados e massas, por exemplo.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Médico explica que em casos do passado, as pandemias foram encerradas por motivos médicos ou sociais

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.