Header Ads

Vila Brasil e o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque

O Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque ocupa uma área de 38 464 km², pouco menor que a da Suíça.

         © jpg


POR AMANHECER DA NOTICIA

Faz fronteira com a Guiana Francesa e com o Suriname. É o maior parque nacional do Brasil e também o maior parque de floresta tropical do mundo. Foi criado em 2002, tendo o decreto que o criou dito que os objetivos do parque seriam “(...) Assegurar a preservação dos recursos naturais e da diversidade biológica, bem como proporcionar a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação, de recreação e turismo ecológico”.

Obviamente, a gestão de um parque desse porte exige muitos recursos, que o Estado brasileiro não dispõe, o que acaba gerando uma série de problemas, dentre os quais crimes como tráfico de drogas e armas, garimpo, caça e desmatamento ilegais e outros crimes característicos de zonas fronteiriças. A povoação de Vila Brasil, situada no interior do parque, às margens do rio Oiapoque, na fronteira com a Guiana Francesa, já existia antes da criação do parque. Próximo a ela, está o único órgão do Estado com presença permanente na região: o Destacamento Especial de Fronteira (DEF) do Exército.

Trata-se de um grupo de cerca de 30 militares pertencentes ao 34º Batalhão de Infantaria de Selva, sediado em Macapá. Esses militares permanecem no local por períodos de 45 dias, em sistema de rodízio, tendo como missão principal a defesa da soberania nacional, além do combate aos crimes acima mencionados e também apoiando outros órgãos de segurança e fiscalização quando estes se deslocam para a área. A vida desses militares é muito dura: há energia elétrica apenas durante curtos períodos do dia, não há água tratada e telefones, o calor e a chuva são intensos e doenças como a malária estão muito presentes.

Um aspecto particularmente complexo é o abastecimento do local: ele é feito a partir de Clevelândia do Norte, localidade situada cem quilômetros rio abaixo. Pequenos barcos, conhecidos como “voadeiras” são utilizados para transportar pessoal e suprimentos, numa viagem que demora cerca de sete horas. Para dificultar esse trabalho, precisam ser superadas onze corredeiras e cachoeiras, que exigem que os barcos sejam descarregados e, juntamente com a carga, transportados a braço durante alguns trechos. Existem planos para construção de novos alojamentos para o DEF e de uma pequena pista de pouso, que aumentariam a segurança dos militares e dos habitantes civis da área, inclusive permitindo sua rápida evacuação em caso de acidentes ou problemas de saúde. Esses planos vêm enfrentando a falta de recursos financeiros do governo federal, o que torna mais difícil vivificar a fronteira, um objetivo a ser perseguido por todos os brasileiros.

Vivaldo José Breternitz - Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Sobre a Universidade Presbiteriana Mackenzie
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está na 103º posição entre as melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação. Possui três campi no estado de São Paulo, em Higienópolis, Alphaville e Campinas. Os cursos oferecidos pelo Mackenzie contemplam Graduação, Pós-Graduação Mestrado e Doutorado, Pós-Graduação Especialização, Extensão, EaD, Cursos In Company e Centro de Línguas Estrangeiras.

Programa especial de parcelamento de débitos de ICM e ICMS é autorizado no Estado de São Paulo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.