Header Ads

Inverno "quente" tem aluguel diário de imóvel na praia a partir de R$ 150

O aluguel diário mais caro registrado pela pesquisa CreciSP.

         © jpg


POR AMANHECER DA NOTICIAS

Sob efeito do El Niño, efeito climático que provoca o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico e "esquenta" o inverno no Brasil, a possibilidade de curtir férias com o pé na areia é uma opção a mais para o mês de Julho, já percebida pelos donos de imóveis que estão oferecendo suas casas e apartamentos para locação de temporada.


Pesquisa feita pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CreciSP) com 19 imobiliárias de 12 cidades registrou aumento de preço das diárias em 13 dos 18 tipos de imóveis em oferta. Apesar do aumento, quem decidir trocar as montanhas pelo mar vai encontrar ofertas a partir de R$ 150,00 diários, preço médio estimado para apartamentos do tipo quitinete situados em cidades como Caraguatatuba e Ubatuba, no Litoral Norte.


Os aumentos variam entre o mínimo de 5,84% para casas de 3 dormitórios em cidades como Praia Grande e Peruíbe, no Litoral Sul, e o máximo de 84,21% para as casas de 3 dormitórios em cidades como Guarujá e Santos, no Litoral Central. As primeiras estão sendo alugadas em média por R$ 516,00 e as segundas por R$ 1.050,00.


Entre as locações que ficaram mais baratas estão, entre outros, as de apartamentos de 1 dormitório no Litoral Norte, com diárias reduzidas em 14,33%, de R$ 300,00 para R$ 257,00, e os de 3 dormitórios no Litoral Central, com queda na diária média de 8,33%, de R$ 600,00 em 2018 para R$ 550,00 este ano.


O aluguel diário mais caro registrado pela pesquisa CreciSP foi o de casas de 4 dormitórios em praias do Litoral, com preço médio de R$ 1.430,00. Esse valor é 55,94% maior que os R$ 917,00 do ano passado.


A comparação do valor médio das diárias deste mês de julho foi feita em relação aos preços de 31 de maio de 2018, dia de Corpus Christi, o feriado prologando mais próximo das férias de Julho do ano passado.


Aluguel sem "fantasmas"


Assim como acontece em relação ao aluguel de temporada nas cidades serranas, em pesquisa já divulgada pelo CreciSP, esses valores de locações diárias sempre podem ser negociados, "mas a antecedência é a melhor forma de tentar obter descontos e conseguir os melhores imóveis", afirma José Augusto Viana Neto, presidente do CreciSP.


Ele lembra que é sempre bom procurar alugar esse tipo de imóvel com a ajuda de um corretor ou imobiliária, "meio mais seguro e garantido de evitar golpes e fraudes de locadores fantasma que costumam agir nessas épocas".


O site oficial do Creci traz os links de acesso a todas as imobiliárias credenciadas nessas 12 cidades – e também nas cidades serranas - , bastando digitar o endereço www.crecisp.gov.br/cidadao/buscarporimobiliaria e a cidade desejada.


Limites de ocupação


A pesquisa do Creci apurou com as 19 imobiliárias pesquisadas nas 12 cidades litorâneas que há limites para o número de ocupantes permitidos de acordo com o tipo de imóvel.


Nos imóveis de 1 dormitório, os proprietários admitem até 6 pessoas; nos de 2 dormitórios, até 8; nos de 3 dormitórios, o limite sobe para até 12; e nos de 4 dormitórios, aceitam-se até 15 pessoas.

A pesquisa foi feita nas cidades de Caraguatatuba, Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela, Bertioga, Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe.


Contatos com a imprensa:

Sonia Servilheira, Cesar Miranda, Jully Gomes, Chrystiane Saggese

Tel.(11) 3886.4927

E-mail: imprensa@crecisp.gov.br





Férias de Inverno – Locação Temporada Litoral

Comparativo Julho 2019 X Corpus Christi 2018*


Anexos



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.