Header Ads

Nina Silva irá participar do Fórum "Raça e Mercado: uma transformação econômica"

 Nina Silva, criadora do Movimento Black Money e reconhecida pela Forbes como uma das 20 mulheres mais poderosas do Brasil em 2019,

         © jpg


POR AMANHECER DA NOTICIAS

Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) famílias pobres brasileiras levariam nove gerações para alcançar a renda média do país. O Brasil ocupa segunda pior posição em um estudo sobre mobilidade social feito pela instituição com dados de 30 países e divulgado em 2018. Nosso país, é superado apenas pela Colômbia, que demoraria 11 gerações.

A análise mostra que a baixa aptidão dos pobres de crescerem e dos ricos de descerem na escala social resulta, em grande parte, da inércia educacional dos filhos em relação aos pais. Se o pai é analfabeto, há uma grande chance de o filho também ser. "Filhos de pais na base da pirâmide têm dificuldade de acesso à saúde e maior probabilidade de frequentar uma escola com ensino de baixa qualidade. Faça a conta: se negros são 75% dos 10% mais pobres do país quando iremos acender se mantivermos as relações de trabalho e circulação de riqueza desta estrutura? Para promover mobilidade social, seriam necessárias nove gerações para que os descendentes de um brasileiro entre os 10% mais pobres atingissem o nível médio de rendimento do país e isso não é aceitável", argumenta Nina Silva, fundadora do Movimento Black Money.

Na contramão da marginalização do mercado o Afroempreendedorismo e afroconsumo se fortalecem onde em 2017 tivemos 1.7 trilhão de reais movimentados pela população afrodescendente no Brasil. Em resposta a níveis de desemprego cada vez mais altos, negócios pretos dialogam com a transformação digital para formação de redes e alianças como será discutido no Fórum "Raça e Mercado: uma transformação econômica" que ocorrerá na próxima segunda-feira (13), promovido pela EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo) da Fundação Getúlio Vargas. A discussão está sendo fomentada por um pool de negócios pretos formado pela Preta Hub, Feira Preta, Afrobusiness, Diáspora.Black e Movimento Black Money que debaterá o tema com grandes empresas, empreendedores negros e investidores. Evento gratuito.

De acordo com Edgard Barki, o coordenador do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da FGV EAESP, o empreendedorismo pode ser uma importante alavanca do crescimento econômico brasileiro. "Mas, para que o desenvolvimento econômico aconteça e a diminuição da desigualdade social de fato ocorra no país é essencial discutirmos a inclusão e fomento ao empreendedorismo negro e sua maior inclusão no universo dos negócios", diz Barki.

"Protejam-se das armas de exclusão do sistema transvestidas de medidas de inserção pois em sua maioria não serão suficientes para desregular o mercado que sempre se auto regula para nos excretar. Nós do Movimento Black Money te convocamos para o fortalecimento da comunidade negra pautada em relações de capital e influência para aceleração do nosso acesso à educação de qualidade e inovadora, à geração de renda a partir de negócios entre pessoas pretas e à criação de fundos e clubes de investimentos onde o pouco em conjunto se tornará potência", finaliza Nina.


Sobre o Movimento Black Money

O Movimento Black Money é um hub de negócios pretos que tem como objetivo o fomento do letramento identitário e do mindset de inovação ao ecossistema afroempreendedor, através de comunicação, networking e educação estimulam o espírito inovador de empreendedores e jovens negros para a criação de diferenciais competitivos no mercado.
O Movimento foi fundado em 2017 por Alan Soares, Empreendedor Social, Trader e Educador financeiro há mais de 10 anos e Nina Silva, gestora de negócios em tecnologia, reconhecida pela instituição internacional MIPAD (Most Influential People of African Descent) como uma dos cem afrodescendentes mais influentes do mundo e reconhecida pela Forbes como uma das 20 mulheres mais poderosas do Brasil em 2019.

"RAÇA E MERCADO: UMA TRANSFORMAÇÃO ECONÔMICA"
Onde: Auditório 9 de Julho (rua Nove de Julho, 2029, Bela Vista) | Térreo
Quando: 13/05
Horário: 08h30
Quanto: Gratuito (as vagas são limitadas)
Com informação de Jéssica Flausino.
 Mães ao volante: Dados do Seguro DPVAT mostram que mulheres são mais cuidadosas no trânsito

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.